Archive for maio \29\UTC 2011

A importância das metas de médio e longo prazo

maio 29th, 2011

 Depois de passar vários anos estabelecendo metas para cada ano cheguei a conclusão que é preciso ter um horizonte de planejamento um pouco maior. Assim, resolvi estabelecer 40 metas que gostaria de atingir até completar 40 anos (não vou dizer quanto tempo falta, é claro):

Metas Pessoais

1. Atualizar o blog semanalmente por um ano.

2. Falar espanhol fluentemente.

3. Fazer um curso de gastronomia fora do país (de curta duração, é claro).

4. Digitalizar todas as minhas fotos.

5. Catalogar minha coleção de DVDs e Blu-ray.

6. Catalogar minha biblioteca.

7. Concluir o curso de fotografia.

8. Me livrar das coisas desnecessárias e viver mais leve.

Metas de Aventura/Viagens

1. Obter a minha certificação para mergulhar.

2. Visitar a Escandinávia.

3. Visitar a Rússia.

4. Visitar o Caribe.

5. Dirigir a Rota 66 num conversível.

6. Mergulhar na Grande Barreira de Corais (Austrália).

7. Ver o sol nascer em Machu Pichu.

8.  Assistir aos festivais de Páscoa na Andaluzia.

Metas Profissionais

1. Me tornar sócia.

2. Completar um mestrado.

3. Identificar uma alternativa de renda.

4. Participar de Conselhos de Administração de empresas de capital aberto.

5. Atingir 10.000 visitantes no site num período de 3 meses.

6. Lecionar num curso de pós-graduação

7. Participar ativamente de instituições de classe e de mercado (Ibracon, CRC, FIERGS, IBGC)

8. Formar sucessores.

Metas de Saúde/Bem-estar

1. Pesar 54kgs em 31 de março de 2012.

2. Correr 10 km em menos de 1 hora.

3. Fazer check up anualmente.

4. Participar da meia maratona da Disney.

5. Incluir vegetais em todas as refeições principais em 5 dos 7 dias da semana.

6. Ficar sem tomar coca-cola (ou qualquer outro refrigerante) por 3 meses.

7. Ficar sem comidas insdustrializadas por pelo menos 1 mês.

8. Monitorar minha pressão sanguinea semanalmente.

Metas financeiras

1. Obter rendimentos melhores do meu portfolio e reavaliar a distribuição dos meus ativos anualmente.

2. Acumular 1 milhão de reais

3. Evitar déficit de consumo

4. Trocar meu carro urbano  (no momento, o Volvo C30 está no topo da minha lista).

5. Desenvolver uma política de investimento

6. Comprar um moradia definitiva

7. Construir/comprar uma casa fora da cidade

8. Comprar um carro off-road.

Experimento Psicológico – Relatório da segunda semana

maio 28th, 2011

Entre o dia 21/5 e 27/5, tive um gasto total de R$1.082,95 distribuído da seguinte forma:

  • Alimentação: R$444,53
  • Manicure e depilação de sobrancelha: R$48,00
  • Entretenimento: R$9,50
  • Presentes: R$28,00
  • Seguro de vida: R$148,84
  • Revistas: R$29,80
  • Maquiagem, cosméticos, outros  (duty free): R$299,28 ou USD174,00

O meu gasto essa semana foi bem mais alto que na primeira semana como já era esperado com o seguro de vida e a viagem.. Mas também foi uma semana que frequentei restaurantes mais caros com os amigos o que sempre é motivo de alegria para mim. Boa comida e boa companhia é sempre uma ótima pedida. Então nesse ponto, sim, gastar mais me fez mais feliz essa semana que na anterior.

No entanto, todo esse esforço em controlar meus impulsos de consumo me fez repensar as minhas necessidades e também as diferenças que existem na forma como eu e meu marido nos relacionamos com o dinheiro. Não cheguei a nenhuma conclusão sobre os temas, mas entendo que é possível encontrar um lugar comum e adminitrar as nossas diferenças. 

Até a próxima semana..

Revisitando o passado – Parte II – Maneiras eficientes de juntar um dinheirinho

maio 23rd, 2011

Guarde o troco. Tudo bem se no final do dia não conseguiu economizar todas as moedinhas que ganhou de troco, mas tente todos os dias, tu acabarás ficando bom nisso e quando perceber terá um bom dinheiro para trocar nos mercados próximos a sua casa que fazem festa por esse tipo de trocado, só o que não vale é desistir, tenha um cofrinho em casa e adquira esse hábito.

Guarde os extras. Dinheiro não tem hora errada para chegar, se recebeu algum valor inesperado, invista para que ele trabalhe para você, lembre-se foco é a palavra chave, adquira somente o que realmente precisa ou deseja muito.

Faça uma limpeza em casa e organize um bazar com o que não usa mais. Eu sei isso aqui é chato, chamar amigos para se livrar das coisas que não quer mais e ainda cobrar!! Faça a coisa certa, selecione o que não é mais útil para você, mas ainda está em bom estado de conservação e doe aos mais necessitados, não é uma economia direta para você, mas estarás fazendo um bem maior e ajudando outras pessoas a economizar.

Economize no almoço. Tudo bem, trazer comida de casa todo dia é meio chato e não precisamos fazer isso. O que temos que fazer é economizar, se você olhar ao seu redor, mesmo onde você trabalha, há pessoas que gastam R$ 7,00 para almoçar, outras R$ 15,00, há quem gaste R$ 25,00, então para que exagerar gastando R$ 45,00, isso mesmo, quem sabe, o meio termo não é o ideal? Sem falar que muitas vezes um convite entre colegas de trabalho para almoçar pode gerar constrangimento, pois a pessoa não tem coragem de dizer que os locais que você freqüenta, são muito caros para acompanhá-lo.

Fuja dos lançamentos de última geração. Que armadilha! Resista ao impulso de comprar lançamentos, eles chegam às prateleiras com preços altíssimos, espere alguns meses, essa é a dica de economia.

Não pague por garantias extra. A sensação de segurança dura pouco, você gasta muito e provavelmente o seu produto só apresentará defeito depois de expirada a garantia extendida.

Envolva a família na economia. Divida com o marido/esposa, filhos pais, a empolgação e emoção de ver a poupança aumentando, discutam projetos em conjunto para esse dinheiro, com apoio deles, tudo é mais fácil.

 

Experimento Psicológico – Relatório da Primeira Semana

maio 21st, 2011

Como prometido, segue o relatório da primeira semana. Entre o dia 14/5 e 20/5, tive um gasto total de R$332,11 distribuído da seguinte forma:

  • Alimentação: R$227,56
  • Manicure: R$14,00
  • Entretenimento: R$24,20
  • Medicamentos: 58,35
  • Táxi: R$8,00

No sábado dia 14/5 eu fiz a segunda sessão de um tratamento estético que já havia pago há pouco mais de um mês. O valor da sessão seria R$189,00 e não foi incluído na lista acima por ter sido pago antes de eu começar o experimento.

Em termos de felicidade, não sei dizer se fui menos feliz essa semana por restringir meus impulsos de consumo, mas tenho que admitir que estive em tentação diversas vezes. Amei o vestido de festa na vitrine de uma loja na Padre Chagas e tinha até a desculpa perfeita para comprá-lo.. Mas no fim resisti bravamente..

Quem sabe daqui há um mês.. Próxima atualização em uma semana!

Revisitando o Passado: Aprendendo a viver modestamente

maio 16th, 2011

Neste segundo ano de existência do www.fiquericodiariamente.com.br, resolvi revisitar o segundo artigo publicado pela autora do site, Tatiana. O tópico abordado naquela oportunidade foi: “Aprendendo a viver modestamente”.

Sabendo o quanto é árdua essa tarefa e por isso mesmo no meu modo de ver é um dos pontos mais importantes na busca da tão sonhada independência financeira foi o que me motivou a revisitá-lo.

O tema fora analisado naquele momento de forma a enfrentar a frugalidade do dia a dia em um mundo materialista, no qual desde os primeiros momentos da manhã ao acordarmos somos bombardeados pela tentação de adquirir mais e mais, sem nos atermos as nossas reais necessidades. Pois bem, vimos naquela ocasião que o que pode parecer uma privação na verdade é uma atitude positiva, principalmente se levarmos em conta que a tranqüilidade de uma vida equilibrada premia-nos com uma boa noite de sono.

A ascensão do materialismo

Vimos também que a dificuldade enfrentada para ultrapassar essa barreira consumista está diretamente ligada à ascensão do materialismo, os períodos de grande inflação e de imprevidência social estão longe, o que gera uma zona de conforto que nos permite arriscar mais, assim nos atrevemos a comprar mais um par de sapatos, mais um PC, mais uma TV, mesmo sabendo lá no fundo que não precisamos, e que ao invés disso poderíamos dar um passo maior em direção a realização de nossas metas.

Aprendendo a viver modestamente

Fazendo uma releitura do que foi escrito e refletindo a respeito podemos acordar para realidade, “Não adianta chorar o leite derramado”, temos que aprender com os erros do passado para não revivê-los de ciclos em ciclos, não quero exagerar e pregar uma vida modesta, franciscana, mas sim uma vida com qualidade, mas sem desperdícios frívolos, ou seja, há muito, mas muito espaço para cortes, o que precisamos é foco para grandes aquisições, que trarão lucro ao invés de prejuízo.

O poder da poupança

Não subestime o poder da poupança, grandes fortunas começaram com pequenos valores, deixe a mágica dos juros compostos trabalhar para você, e não contra, como ocorre nos endividamentos do cartão de crédito.

Para finalizar, aprender a viver modestamente não significa ser miserável ou digno de pena, mas sim resistir às tentações dos gastos desnecessários e fazer um exercício diário para identificar as reais necessidades e na dúvida não tenha vergonha de perguntar, mas não vale perguntar a um parceiro de gastos.

E feliz aniversário!

 

Experimento Psicológico

maio 14th, 2011

Hoje, 14 de maio de 2011, vou iniciar um experimento psicológico. Quero saber o quanto a minha felicidade, ou melhor, o meu estado de espírito é atrelado ao consumo.  Então por 30 dias não vou adquirir nada fora das necessidades essenciais. Nadinha mesmo. Para estabelecer parâmetros para o experimento, preciso definir o que é essencial.

Por essencial, estou escolhendo considerar os gastos relacionados ao sustento da vida, do trabalho e da casa. Exemplos: aluguel, despesas com alimentação, transporte, etc. Duas exceções no período: na semana de 30/5 vou a Bogotá a trabalho, então estou reservando $500 dólares para gastar além das despesas reembolsadas e no dia 10/6 é nosso aniversário de casamento então teremos um evento especial.

Para ir monitorando o meu experimento, farei um relatório semanal. Desejem-me sorte.

Já que Maio é o mês das noivas..

maio 8th, 2011

Existe uma expressão em inglês que se refere ao ato de casar: “tie the knot” o que quer dizer na tradução literal: dar o nó. Me parece bem apropriada para o casamento e suas consequências na vida do casal. Tudo é misturado com o casamento, os amigos, os projetos e, obviamente, o dinheiro – ainda que o casal mantenha contas bancárias separadas.

Como estou acompanhando a separação de um casal próximo, me pareceu oportuno escrever sobre o que deveríamos considerar, do ponto de vista das finanças, antes de dar o tal nó.

Lado financeiro

Basicamente há duas formas de administrar as finanças de um casal: conjunta ou separadamente. Eu e meu marido optamos por administrar nossas finanças de forma conjunta, temos apenas uma conta bancária ativa onde entram e saem todos os recursos. As óbvias vantagens de administrar de forma conjunta são a redução de custos de tarifas e o aumento do poder de barganha junto às instituições financeiras. Nós, por exemplo, não pagamos nenhuma taxa de serviço junto ao banco por manter nossos recursos investidos lá. Além disso, administrar conjuntamente facilita acompanhar as metas de curto e longo prazo. Existem algumas desvantagens, é claro, a principal na minha opinião é não conseguir dar um presente surpresa já que na maioria das vezes a compra já foi descoberta antes de eu chegar em casa.

A outra opção é manter as contas separadas, o que de certa maneira mantém um pouco a privacidade de cada um mas é preciso combinar uma forma de administrar as despesas comuns. Alguns casais que eu conheço mantém uma conta específica para as despesas comuns na qual os dois fazem uma contribuição que pode ser igual ou proporcional a renda de cada um. Outros, dividem as contas em si e cada um paga diretamente uma parte das despesas. Outros mantém um controle onde um dos dois paga tudo e o outro transfere os recursos para a conta do responsável pelos pagamentos.

Regime de bens

Qualquer que seja o método escolhido para administrar as finanças do casal, isso não influencia como os recursos seriam divididos numa eventual separação. Sei que ninguém se casa pensando que não vai dar certo, mas é bom entender o que acontece nessa hora. Na separação, os bens do casal são divididos de acordo com o regime de bens escolhido quando do casamento.

No Brasil, os principais regimes de bens são:

  • Comunhão total de bens – todos os bens, passados e futuros, pertencem igualmente a marido e esposa.
  • Comunhão parcial de bens – todos os bens adquiridos após o casamento pertencem igualmente a marido e esposa, mantendo-se os bens adquiridos antes do casamento (ou então recebidos como herança, a qualquer tempo) como pertencentes somente ao seu proprietário original.
  • Separação total de bens – não há compartilhamento de bens passados e futuros, sendo cada um dos nubentes titular único dos bens colocados em seu nome.
  • Participação final dos aquestos – é um sistema misto, pois enquanto durar o casamento, cada cônjuge tem a exclusiva administração de seu patrimônio pessoal. Após a dissolução da sociedade conjugal, apuram-se os bens de cada cônjuge cabendo a cada um metade dos adquiridos na constância do casamento.

Se os noivos não se manifestarem no momento do casamento, o regime será a comunhão parcial de bens. As pessoas com mais de 70 anos estão obrigadas a observar o regime de separação total de bens.

Para os que optaram por não oficializar o casamento e vivem em união estável, o regime será a comunhão parcial dos bens. O difícil nos casos em que não há uma declaração formal de união estável é dizer quando a união e, consequentemente, os bens começaram a se confundir.