Posts Tagged ‘sucesso’

2014.09 – O modo certo de tentar comprar felicidade

fevereiro 27th, 2014
O dinheiro não pode comprar felicidade.

A gente escuta isso o tempo todo, mas será que é mesmo verdade? Eu sei que dá para listar facilmente uma dúzia de pessoas ricas que parecem miseráveis e outra dúzia de pessoas pobres que parecem felizes. Mas no fundo sempre me lembro de uma amiga que costuma dizer que se é para ser miserável, melhor que seja em Paris. Nenhuma surpresa mas existe um estudo comentado da Prinnceton University já comentado em 2010 por Carl Richards sobre isso:

…Daniel Kahneman, a winner of the Nobel in economic science, and co-author Angus Deaton found that people reported an increase in happiness as their incomes rose to $75,000 a year. Then, the impact of rising income on happiness levels off.

Para quem é da economia como eu, isso soa suspeitamente parecido com aquela história de rendimento marginal decrescente. Mas será? E se eu dobrasse a minha renda amanhã, ficaria feliz em dobro também? Será que já passei do ponto de inflexão da curva? Ou será que mais dinheiro não tem relação significativa mesmo com mais felicidade?

Fiz essa pergunta para algumas pessoas, e a resposta parece mudar de acordo os quadros de referências pessoais. Pessoas mais velhas que eu tendem a responder que não, o dinheiro não traz felicidade e pessoas mais jovens tendem a concordar que não é o único fator determinante, mas que ajuda na busca. Um pouco disso pode ser explicado pelo momento de vida de cada um eu creio. Algumas pessoas ficaram um pouco constrangidas em dar uma resposta direta.

Estar feliz com o que temos é uma boa idéia. Passar todo o tempo querndo mais coisas, ou pensando como seríamos felizes se tivéssemos apenas mais X reais, é certamente uma forma de ser infeliz. Mas talvez estejamos olhando para esse relacionamento entre dinheiro e felicidade da forma errada. Muitas vezes quando pensamos em mais dinheiro, pensamos imediatamente em uma casa maior, um carro melhor e mais coisas. Tudo isso não leva necessariamente à felicidade.

Mas de acordo com um artigo sobre dinheiro e felicidade publicado no The New York Times em 2010, existem várias pesquisas que sugerem que experiências, o tempo dedicado às pessoas que amamos, e memórias de eventos especiais contribuem significativamente para a felicidade. No artigo, Elizabeth W. Dunn, professora do Departamento de Psicologia da University of British Columbia, comentou que é melhor sair de férias do que comprar um novo sofá.

ProfessoraDunn e seus colegas também escreveu um artigo cujo título sumariza bem o tema: “If Money Doesn’t Make You Happy Then You Probably Aren’t Spending It Right.” (“Se o dinheiro não te faz feliz então você provavelmente não está gastando certo” em tradução livre.

O dinheiro é só uma ferramenta e ter mais dinheiro não nos torma mais felizes por si só. Como qualquer outra ferramenta, o impacto está em como é utilizada.

Aqui vai algumas coisas que eu faria com dinheiro que me fariam mais feliz:

1. Passar mais tempo com a minha família e amigos.

2. Passar mais tempo ao ar livre me exercitando.

3. Pagar a dívida da casa para me sentir livre e segura.

4. Aumentar o meu fundo de emergência.

5. Viajar com meu marido.

6. Cozinhar para um grupo de amigos. Fazer algo com as próprias mãos é muito satisfatório. E alimentar os outros tem algo de mágico.

7. Dormir mais. E não é por que eu sou preguiçosa, mas é fato: a maioria de nós dorme muito pouco.

Me parece que nada disso é realmente sobre dinheiro, ou pelo menos, sobre mais dinheiro. Talvez tenha mais a ver com as escolhas que fazemos sobre como passamos o tempo e alinhar essas escolhas com o que é mais importante para nós. Então acho que felicidade não é necessariamente ganhar mais dinheiro, mas gastá-lo de uma forma melhor.

2014.07 – Um plano para 2014 que talvez funcione

fevereiro 13th, 2014

Para 2014, eu tenho um desafio: tomar decisões financeiras com intenção e propósito. Não deixar a vida me levar. Muito do que eu venho fazendo é baseado em hábitos e referências passadas ao invés de um plano bem pensado. Durante esse ano, vou tentar aplicar 3 regras:

1) Definir a realidade atual. Apesar de parecer fácil, é um pouco mais complexo do que inicialmente pensei. A maioria das pessoas que eu converso parece não saber exatamente onde estão em termos financeiros.

Pode ser difícil encara a realidade da sua situação. Mesmo que você tenha a sensação de que está tudo indo bem financeiramente, é preciso considerar se a sua posição financeira atual é adequada para o seu momento de vida.  É preciso entender onde você está para poder definir para onde quer ir.

2) Estabelecer metas. As vezes nos perdemos pensando no que vamos fazer na próxima semana, que dirá daqui a alguns anos. Mesmo assim, nenhum vento ajuda quem não sabe para onde vai. Alguma direção precisamos ter, até para podermos mensurar o progresso.

Não dá para ficar muito preocupado com precisão. Metas são na melhor das hipóteses chutes educados, então faça o melhor chute possível e siga adiante. Por exemplo, quero me aposentar cedo, quanto eu preciso acumular até lá?

É preciso ser honesto e realista. Parte do processo envolve estimar quer retorno você vai conseguir e quanto você vai ganhar. Seja conservador quanto as taxas de retorno, foque na capacidade de poupança. Se não dá para aumentar a poupança, procure fontes alternativas de renda.

3) Corrigir o curso sempre que necessário. É líquido e certo que correções de curso serão necessárias, então melhor planejar para isso. Revise seu progresso periodicamente, pelo menos a cada três meses.

Se estiver fora do curso, mude o mais rápido possível. É sempre mais fácil recuperar pequenos desvios.

Planejar para um melhor futuro financeiro é um processo contínuo, não um evento isolado. Também é algo muito chato no curto prazo mas que pode trazer resultados incríveis no longo prazo.

Em 2014, comprometa-se a tomar ações simples, pequenas e consistentes ao longo do ano.

2014.05 – Dica para a felicidade: Abandone as metas de médio e longo prazo de vez em quando

janeiro 30th, 2014

Todos ouvimos como é importante estabelecer e monitorar metas.

Somos incentivados a registrar as metas, colá-las no espelho e revisá-las diariamente. Algumas pessoas se referem a essas listas como  “bucket lists.” Mas depois de estabelecermos todas essas metas, muitas vezes enfrentamos a dura realidade: não teremos dinheiro suficiente para realizar todas as metas.

Nem hoje. Nem nunca.

Pode ser muito doloroso descobrir que você passou anos esperando para fazer certas coisas mas acabou limitado pela falta de dinheiro.  Podemos definir esse sentimento de desapontamento como a distância entre nossas expectativas e a realidade.

Para alguns, esse desapontamento vem quando descobrimos que a aposentadoria planejada não será mais uma opção. Anos de trabalho e poupança simplesmente não deram o resultado esperado. Então não é surpresa que depois de uma década ou mais esperando um certo resultado, até mesmo adiando a vida em prol desse resultado, ficaríamos muito desapontados quando o resultado não se materializa.

Há algum tempo atrás eu estabeleci 40 metas para perseguir até completar 40 anos de idade. Ainda não cheguei lá, mas já me é evidente que não será possível cumprir todas as metas estabelecidas com o dinheiro e o tempo que me restam. Claro que sei que levo uma vida muito acima da média. A minha vida é muito boa, não importa como eu a medir. Mas não consigo deixar de me frustar com as metas não atingidas.

A questão é o que fazer a respeito? Como evitar o descontentamento e ao mesmo tempo manter-se no caminho certo?

Aqui vai uma sugestão radical, mudar o processo de estabelecer metas baseadas num resultado único no futuro e focar no processo de viver a vida que queremos a cada dia que nos levará a vida queremos no futuro. Podemos começar por:

1. Abandonar as expectativas.

Para o caso da vida não te mostrado isso ainda, o mundo não te deve nada. Metas são ótimas, e podem nos ajudar a focar nossos esforços em direção a ser melhores ou fazer algo melhor. Mas você precisa manter as metas como metas e não como expectativas.

2. Abandonar os resultados.

Focar no processo é um modo bem melhor de estabelecer metas. Por exemplo, minha meta é tomar as melhores decisões financeiras possíveis para garantir a minha independência financeira na aposentadoria.

3. Abandonar as preocupações.

Eu sei que é bem difícil para de se preocupar com dinheiro. Afinal, tem tantas coisas na vida que dependem do dinheiro. E se eu não puder pagar a dívida da casa? E se eu perder o emprego? É um hábito difícil de largar, mas sinceramente, essa preocupação não nos traz nada de bom.

4. Abandonar as comparações.

Somos competitivos. Parece que avaliamos nossa posição na vida em relação a posição das outras pessoas. É como se todos estivéssemos numa corrida invisível uns contra os outros. Mas na verdade, estamos todos a procura de felicidade e até onde eu entendo a felicidade de um não exclui necessariamente a do outro.

5. Abandonar o acompanhamento sem intenção.

Sou a favor de monitorar as suas finanças, mas mais do que produzir uma planilha detalhada com o destino de cada centavo precisamos é usar as informações para tomar melhores decisões. Depois de tantos anos monitorando as minhas finanças, me pergunto que bem me fez saber exatamente quanto eu gasto em cada categoria. A questão é entender os nosso padrões de comportamento e ver como podemos melhorá-los.

Metas pode ser ótimas. Só precisamos fazer um trabalho melhor para que as metas não se tornem expectativas que nos causem descontentamento no futuro.

2013.09 – O que não fazer

março 2nd, 2013

Há bastante tempo tenho escrito sobre o que fazer. Hoje resolvi salientar o que não fazer. A lista vem do livro “Investimentos Inteligentes”, do Gustavo Gerbasi.

  1. Ter uma única fonte de renda. O princípio básico da diversificação para administrar o risco de perda abrupta do rendimento familiar em caso de desemprego repentino do provedor. Esse risco também pode também ser mitigado pela criação de um fundo de emergência que garanta o cumprimento das obrigações da família por um período de 6 a 8 meses.
  2. Esperar sobrar dinheiro. Não adianta esperar que a sua renda se ajuste. A renda é a restrição, o que precisa ser ajustado é o seu padrão de consumo. Também vale lembrar que quanto mais cedo você começar mais o seu dinheiro trabalhará por você, esse é o milagre dos juros compostos, onde o tempo faz o bolo crescer.
  3. Trabalhar com muitas instituições financeiras. Se você espalhar muito o seu dinheiro, duas coisas podem acontecer no mínimo, um maior volume de taxas pagas às instituições financeiras e um custo de oportunidade pela escala nas negociações com os bancos. Um volume maior de recursos provavelmente lhe renderá melhores opções de investimento.
  4. Trabalhar apenas com uma instituição financeira. Você está limitado ao portfolio dessa instituição e sujeito ao seu risco de continuidade. Fique de olho. Aqui em casa trabalhamos com dois bancos, um público e um privado, ambos de grande porte.
  5. Querer começar grande. Quando se trata de dinheiro, o tempo é um fator tanto ou mais relevante que o montante.
  6. Poupar, ao invés de investir. Poupar é o primeiro passo, o segundo é encontrar o melhor uso dos seus recursos para obter o melhor rendimento possível, ou seja, é preciso investir.
  7. Ter um único investimento. É preciso diversificar para administrar o risco e também para buscar o melhor rendimento. Em tempos de juros baixos é preciso buscar alternativas.
  8. Sonegar impostos. A receita está cada vez mais equipada e as multas para os sonegadores são altíssimas. Faça a coisa certa!
  9. Contribuir desnecessariamente para o INSS. Se você é autonômo, provavelmente vale mais a pena investir o valor da contribuição por conta própria, do que dar dinheiro para o governo financiar a aposentadoria de outro.
  10. Manter o FGTS intocável. O FGTS rende menos que a poupança, qualquer alternativa é melhor. Avalie as oportunidades de saque permitidos.
  11. Não aproveitar as vantagens de um PGBL. É uma alternativa para a contribuição ao INSS e uma forma de planejar a sua aposentadoria.
  12. Hiperatividade ou giro excessivo nos investimentos. Cuidado com o impacto das taxas e dos impostos sobre a rentabilidade. Lembrem-se que alguns consultores de investimentos, especialmente em corretoras, ganham uma taxa a cada transação e seu interesse principal é estimular o maior número de operações possíveis.
  13. Paralisia nos investimentos. O mercado está sempre em evolução, o que era uma boa opção no ano passado pode não ser mais.
  14. Alavancagem com possibilidade de perda. Nunca tome dinheiro emprestado para investir com risco alto. A perda pode te pegar de surpresa.

Pare de ser a pessoa que você pensa que deve ser… Torne-se aquela que você quer ser!

outubro 30th, 2012

Como sua vida tem andado? Tens mais momentos negativos do que positivos na balança? Tem dedicado mais tempo perseguindo coisas que a sociedade espera que você tenha ao invés daquilo que você realmente quer?

Supere isso. Deixe tudo para trás.

Eu sei que não é tão simples, obviamente. Mas para se mover na direção que você deseja, você precisa escapar o local em que se encontra nesse momento. Mais especificamente, você deve parar de ser a pessoa que você pensa que deve ser.

Talvez essa seja a pessoa que você foi aconselhado a ser, mas que nunca lhe pareceu perfeito. Nos fixamos no que nossos pais queriam, nossos companheiros querem, no que a sociedade quer. Nunca levando em consideração se essa é a pessoa que realmente queremos ser.

Não me levem a mal, não estou em depressão e também não pretendo fugir para Bali.

Mas a cada ano que passa, entrevisto uma nova leva de estudantes e recém formados para o processo de recrutamento e fico cada vez mais preocupada com a quantidade enorme de jovens que escolhe uma formação sem convicção e  não consegue explicar exatamente para onde vai. Nenhum vento ajuda quem não sabe para onde vai.

Me parece que estamos numa política de dar títulos para as pessoas, qualquer área serve. No momento em que começamos o ensino médio, todos os adultos em nossas vidas – pais, professores, orientadores – nos recomendam explorar todas as possibilidades para escolher a carreira que pretendemos seguir. E mesmo aqueles que não conseguem de fato escolher uma carreira, acabam seguindo a opção disponível seja em função das bolsas disponíveis atualmente ou por uma carreira genérica que se entende apresentam bons prospectos de crescimento.

Em outras palavras, todos seguimos o script para tentar ter uma vida melhor. Por favor não me entendam mal: não sou anti-faculdade. Acredito que quanto mais estudo maior a renda. Só sou contra fazer algo com o qual não nos identificamos, sou contra seguir algo cegamente.

Medo de ser diferente

Quantos estudantes provavelmente evitariam uma troca de curso se tivessem avaliado suas opções por mais tempo depois do ensino médio? Sei que nem todas as famílias tem a capacidade de enviar seus filhos para “viajar” entre o ensino médio e a faculdade. Mas talvez uma parada para fazer o cursinho no ano seguinte ao colégio ou para trabalhar um pouco ajudasse os jovens a escolher melhor o curso de graduação.

Quantas mulheres gostariam de ficar em casa e investir seu tempo no cuidado da família mas se sentem pressionadas a perseguir uma carreira? Ou vice-versa, quantas mulheres não tem nenhum interesse em ter filhos mas questionam as próprias decisões em função da cobrança da sociedade?

Quantos jovens escolhem a carreira em função do resultado de uma pesquisa de salários, ou pior, pela disponibilidade de vagas do Pro-uni. Trabalhamos a maior parte da vida, será que é pedir demais que as pessoas se identifiquem com o que fazem?

Como encontrar o seu caminho?

Como podemos deixar de andar em círculos ao redor da idéia do que deveríamos ser? Se preparar para essa mudança será diferente para cada pessoa, mas provavelmente vai incluir uma ou mais das seguintes opções:

  • Aconselhamento de carreira
  • Coaching
  • Identificar a sua visão de vida e futuro
  • Educação continuada
  • Avaliar o impacto financeiro com ou sem a ajuda de um consultor

Eu sei que soa piegas, mas se a sua vida não está funcionando, mude-a. 

É difícil lutar contra todo o nosso condicionamento de seguir um caminho. No fim das contas, você precisa decidir quanto da sua vida será definido pela expectativa das outras pessoas.

Mudança é crescimento

Nota: Não estou fazendo uma apologia ao egoísmo. Outras pessoas podem ser afetadas nesse processo, especialmente aquelas diretamente dependentes de você. Mas admitir que a situação atual não é o que você e que gostaria de explorar outrar outras possibilidades não é o mesmo que anunciar para a sua família que abandonou o emprego e comprou um barco.

Você pode até decidir adiar as mudanças maiores. Por exemplo, você pode decidir seguir um plano acelerado de investimentos que lhe permitirá se “aposentar” da sua atividade atual antes do esperado e nesse meio tempo preparar-se em paralelo para perseguir o seu sonho de conhecer o mundo ou abrir o próprio negócio.

O importante é que enquanto você atende as suas obrigações atuaisvocê já dê os passos necessários para realizar o seu sonho.Faça aulas de idioma, ou de gastronomia ou de administração. Identifique pessoas de sucesso que possam ser os seus mentores na nova profissão. Pesquisa as melhores práticas para colocar o seu plano em ação.

Mudança é difícil. A mudança pode até doer. Mas mudança é crescimento, e mudança é necessária.

Se prepare o melhor possível para a resistência inevitável. Mas mantenha essa idéia como referência: as noções das outras pessoas sobre quem você é te mantiveram onde você não quer estar. Apenas você pode decidir quanto da sua vida dedicar às expectativas dos outros.

Tarefa 29: Estabeleça metas

agosto 15th, 2012

Estabeleça metas.

Assim como na maioria das coisas na vida, estabelecer metas factíveis é uma vantagem competitiva. Isso se aplica tanto às finanças pessoais como também ao seu bem-estar físico. Ao definir uma coisa que você deseja comprar ou uma data limite para eliminar um certo débito, você cria um propósito para o seu processo de decisão e um parâmetro para medir o seu progresso e avaliar os resultados. De outra forma, poder ser difícil manter a disciplina e o equilíbrio nas finanças.

Se você está procurando um ponto de partida para as metas, pode dar uma olhada nas 28 tarefas anteriores e ver se alguma delas poderia ser a sua primeira meta para as finanças. Alguns exemplos de metas:

  • Curto prazo: Manter-se no orçamento, pagar as contas em dia, evitar gastos deficitários e eliminar dívidas.
  • Médio prazo: Fortalecer a poupança, comprar uma casa, comprar ou trocar de carro e eliminar dívidas..
  • Longo prazo: Economizar para a faculdade do seu futuro filho, aposentadoria e eliminar dívidas (já entedeu o padrão?). E talvez dar a volta ao mundo…

Há algum tempo atrás eu estabeleci quarenta metas para perseguir até completar quarenta anos que talvez possam servir de inspiração. Boa sorte!

Tarefa 28: Mantenha-se educado e motivado

agosto 11th, 2012
Mantenha-se educado e motivado.

Eu sei que é muito otimismo desejar que com essas 27 dicas anteriores todas as preocupações financeiras sejam resolvidas. A boa forma nas finanças é que nem a boa forma física, é um projeto sempre em andamento e que precisa de disciplina e força de vontade. A medida que as circunstâncias mudam e você pode se encontrar numa situação com mais ou menos dinheiro, dívidas, ou responsabilidades e você precisa ser capaz de enfrentar essas mudanças com todo entusiasmo e informação que for possível. Continue a ser curioso sobre o que está a disposição lá fora para que você possa enfrentar em melhores condições quaisquer obstáculos que você pode encontrar. Quando você encontrar algo relacionado com finanças pessoais nas suas buscas diárias na internet, preste atenção.  Faça perguntas. Leia o material do RH sobre o fundo de pensão que a Empresa oferece. Atenda aos seminários gratuitos na região.

Entusiasmo e conhecimento são essenciais para manter a motivação e atingir as suas metas.