Archive for fevereiro \23\UTC 2013

2013.08 – Cartas a um jovem investidor

fevereiro 23rd, 2013

Já que já apresentei o Dave Ramsey e a Suze Orman esse ano, me parece adequado apresentar também o Gustavo Gerbasi. O Gustavo é um dos mais famosos especialistas em finanças pessoais no Brasil.

Em 2009, foi eleito um dos 100 brasileiros mais influentes, segundo a revista Época. Para maiores informações sobre o Gustavo, visite o seu site.

Entre os diversos livros sobre finanças pessoais escritos pelo Gustavo Gerbasi, meu favorito é o “Cartas a um jovem investidor”, da série “Cartas a um jovem…” da Editora Campus.

O livro é estruturado em cartas escritas pelo Gustavo a partir da sua experiência para alguém interessado em investir. É muito mais conceitual do que prático, mas é uma leitura cativante e muito útil.

O “método” proposto pelo Gustavo e consolidado em suas obras posteriores gira ao redor do que ele chama de  “Seu Plano” para conquistar a independência financeira. Seguem algumas dicas de Gustavo Gerbasi para você conquistar sua independência financeira:

1) Dedique tempo à construção de seu plano no papel ou em uma planilha eletrônica.

Principalmente para quem não lida com números no dia-a-dia, visualizar o plano ajuda tanto na motivação para executá-lo quanto na identificação de pontos falhos e “gordurinhas” – aquelas despesas mensais de pequeno valor e aparentemente irrelevantes, mas que são as grandes vilãs do orçamento quando somadas ao longo do mês.

2) Relacione todas as suas fontes de recursos financeiros e todos os seus gastos mensais.

Seja detalhista, pelo menos uma vez na vida, ao longo de um mês. Coloque no papel todos os gastos, sem esquecer as migalhas que são drenadas de seu bolso na forma de gorjetas, arredondamentos na conta da padaria, cafés no meio do dia e aquelas “coisinhas a mais” que acabamos levando na banca de jornal quando compramos a Nova. Não será pelo valor da prestação de seu carro ou de suas últimas compras no shopping que seu orçamento apresentará problemas, porque provavelmente você verificou se havia espaço na sua renda para adquiri-los. Geralmente os orçamentos estouram porque aqueles pequenos valores que são desprezados ao longo do mês acabam se tornando algumas dezenas ou centenas de reais no balanço final – provavelmente um valor que faria toda diferença no futuro se fosse poupado mês a mês.

3) Identifique suas possibilidades de redução de gastos e estabeleça limites para os gastos não programados.

O segredo de um bom planejamento financeiro é impor limites a certos gastos e ter disciplina para seguir estes limites. Se você levar a sério o item anterior, certamente irá se impressionar. Alguns gastos não são controláveis, como aluguel, impostos, escola e plano de saúde. Outros podem ser otimizados, como o gasto com alimentação e produtos de cuidado pessoal, substituindo marcas muito caras por equivalentes mais em conta e levando a sério a prática de fazer pesquisas de preços. Há também aqueles gastos que podem ser perfeitamente planejados, como a renovação do guarda-roupa, o happy hour com os amigos e o lazer de finais de semana. Com estes, estabeleça limites mensais para seus gastos, e seja fiel a estes limites. Por exemplo, estabeleça uma meta de, digamos, R$ 200 mensais para renovação do guarda-roupa. Se não gastar tudo este mês, terá a mais para o mês seguinte – mas não caia na bobagem de gastar a mais por antecedência.

4) Após otimizar seus gastos mensais, identifique de forma precisa o preço de sua sobrevivência, quanto você gasta mensalmente com segurança.

Seu padrão de vida deve ter um custo inferior a sua renda. Sugiro que você gaste para se manter, no máximo, 90% da renda líquida. No total destes gastos devem estar incluídas todas as contas essenciais, incluindo seu lazer, a renovação do guarda-roupa, as prestações do carro, seguros, gastos pequenos do dia-a-dia, etc. O importante é estabelecer um teto para seus gastos totais, seja rigorosa.

5) Calcule quanto sobra de sua remuneração para possíveis investimentos mensais.

Definindo com precisão os limites de seu orçamento, destine parte ou o total do excedente a um investimento que você faça regularmente. Se você optar por um plano de previdência privada, isto estará sendo feito com tranqüilidade. Se seu orçamento for disciplinado e você estiver satisfeita com a renda que seu plano financeiro estará garantindo no futuro, não haverá nenhum problema em fazer alguns luxos quando surgir alguma sobra – como o décimo-terceiro salário, a restituição do Imposto de Renda ou um bônus salarial. O melhor de um bom planejamento financeiro é a oportunidade que ele dá de gastarmos as sobras sem peso na consciência.

2013.07 – O desapego

fevereiro 16th, 2013

Durante as minhas andanças pela internet encontrei um texto da Martha Medeiros que traz um conceito muito interessante de riqueza que reproduzo abaixo:

Vende-se Tudo
Por Martha Medeiros

No mural do colégio da minha filha encontrei um cartaz escrito por uma mãe, avisando que estava vendendo tudo o que ela tinha em casa, pois a família voltaria a morar nos Estados Unidos. O cartaz dava o endereço do bazar e o horário de atendimento. Uma outra mãe, ao meu lado, comentou:

– Que coisa triste ter que vender tudo que se tem.
– Não é não, respondi, já passei por isso e é uma lição de vida.

Morei uma época no Chile e, na hora de voltar ao Brasil, trouxe comigo apenas umas poucas gravuras, uns livros e uns tapetes. O resto vendi tudo, e por tudo entenda-se: fogão, camas, louça, liquidificador, sala de jantar, aparelho de som, tudo o que compõe uma casa.

Como eu não conhecia muita gente na cidade, meu marido anunciou o bazar no seu local de trabalho e esperamos sentados que alguém aparecesse. Sentados no chão. O sofá foi o primeiro que se foi. Às vezes o interfone tocava às 11 da noite e era alguém que tinha ouvido comentar que ali estava se vendendo uma estante. Eu convidava pra subir e em dez minutos negociávamos um belo desconto. Além disso, eu sempre dava um abridor de vinho ou um saleiro de brinde, e lá se iam meus móveis e minhas bugigangas.

Um troço maluco: estranhos entravam na minha casa e desfalcavam o meu lar, que a cada dia ficava mais nu. No penúltimo dia, ficamos só com o colchão no chão, a geladeira e a tevê. No último, só com o colchão, que o zelador comprou e, compreensivo, topou esperar a gente ir embora antes de buscar. Ganhou de brinde os travesseiros.

Guardo esses últimos dias no Chile como o momento da minha vida em que aprendi a irrelevância de quase tudo o que é material. Nunca mais me apeguei a nada que não tivesse valor afetivo. Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar. Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto que torna-se cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que estiveram presentes na minha vida…

Desejo para essa mulher que está vendendo suas coisas para voltar aos Estados Unidos a mesma emoção que tive na minha última noite no Chile. Dormimos no mesmo colchão, eu, meu marido e minha filha, que na época tinha 2 anos de idade. As roupas já estavam guardadas nas malas. Fazia muito frio. Ao acordarmos, uma vizinha simpática nos ofereceu o café da manhã, já que não tínhamos nem uma xícara em casa.
Fomos embora carregando apenas o que havíamos vivido, levando as emoções todas: nenhuma recordação foi vendida ou entregue como brinde. Não pagamos excesso de bagagem e chegamos aqui com outro tipo de leveza….só possuímos na vida o que dela pudermos levar ao partir, é melhor refletir e começar a trabalhar o DESAPEGO JÁ!

Não são as coisas que possuímos ou compramos que representam riqueza ou plenitude. São as dádivas especiais que não tem preço, como família, amigos e saúde.

2013.06 – Como usar melhor o cartão de crédito

fevereiro 9th, 2013

É cada vez maior o número de brasileiros que passam a usar os cartões (crédito, débito ou de loja) como meios de pagamento. A Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) divulgou no ano passado uma série de dados que mostra que a parcela de brasileiros com algum tipo de cartão já chegava a 75% em 2012 (era de 68% em 2008).

A posse do cartão de crédito passou de 48% em 2008 para 52% em 2012. O estudo da Abecs indica, por exemplo, que o número de pessoas que costumam pagar com cartão de crédito na Internet saltou de 13% em 2010 para 20% em 2012, uma alta expressiva.

Como usar melhor o cartão?
Os usuários da pesquisa foram perguntados sobre as vantagens de cada tipo de cartão. No caso do cartão de crédito, foco deste texto, os pesquisados apontaram como pontos fortes a segurança, o parcelamento da compra sem juros e a praticidade. Os problemas também foram lembrados: juros do rotativo, a anuidade e a falta de controle nos gastos.

O dilema do uso consciente do cartão está relacionado às suas características e ao uso que os brasileiros fazem dele. Você reparou que entre as vantagens está a possibilidade de parcelar e a praticidade? Ou seja, é fácil usar e comprar em “muitas vezes”. Mas depois apontamos que a falta de controle nos gastos é um algo crítico. Algumas sugestões podem tornar o cartão de crédito mais amigável:

1) Categorize os gastos do cartão de crédito e mantenha-os no orçamento doméstico
A falta de controle nos gastos não é uma desvantagem do cartão de crédito, mas uma consequência de não registrarmos as despesas de forma organizada. A frase soa óbvia? Então pense no seu orçamento. É grande a chance de existir em sua planilha  ou caderno uma inchada categoria chamada “Cartão de Crédito”, sem as devidas anotações sobre onde e por que os gastos foram feitos.

Combustível? Alimentação? Roupas? Lazer? Como saber se você está exagerando nas compras com o cartão de crédito se não há uma separação clara dos gastos realizados através dele? Percebeu? A solução é simples: você tem que detalhar os gastos do cartão de crédito, associando-os com as categorias pré-definidas e que você já usa para dinheiro, cheque e etc. O cartão de crédito é um meio de pagamento, não o pagamento em si. Faz sentido?

2) Estabeleça um limite de gastos e respeite-o
Outro deslize comum é gastar mais do que o possível e ter que pagar apenas o mínimo ou simplesmente deixar parte da fatura sem pagar. Isso acontece porque é fácil comprar com o cartão (foi isso que dissemos na pesquisa). O fato de não termos que ter o dinheiro na hora da compra é somado ao terrível uso da contabilidade mental. O resultado é que optamos por parcelar sempre que possível – e vamos somando as parcelas na nossa cabeça, sempre nos esquecendo de algo (propositalmente ou não), justificando as contas e/ou inventando uma solução.

A realidade, no entanto, é outra: estouramos o orçamento. A solução é manter o orçamento atualizado, tendo sempre em mãos o limite possível de gastos para os dias que ainda restam até o fechamento da fatura. Vale acessar periodicamente a fatura do cartão de crédito via Internet, vale anotar o que tem comprado com o cartão, vale andar com um lembrete do quanto ainda pode gastar, vale tudo para respeitar seus limites.

3) Evite ter mais de dois cartões de crédito
Imagine as contas de cabeça somadas a diversos cartões de crédito. Comprou um pouco aqui, outro pouco acolá, parcelou no cartão do Banco 1, na loja optou pelo cartão de lá e por ai vai. Sem registrar e manter um histórico atualizado das faturas, o fim do mês provavelmente será de muita confusão.

Melhor não “dar sopa pro azar”, né? Seja sensato e administre um número menor de cartões de crédito, preferencialmente com datas de fechamento e vencimento diferentes. Ter um cartão que vence no dia 15 e outro no dia 30 permite que você gerencie melhor seu fluxo de caixa e como deverão estar dispostas as despesas.

4) Prefira cartões cujas vantagens são realmente palpáveis
Adianta ter um cartão que some pontos e mais pontos para serem trocados por uma TV ou coisa do tipo, mas que exija que você gaste “rios de dinheiro” para acumular o saldo necessário para o tão sonhado objeto? É bem provável que a tal TV seja a mais cara que você vai adquirir (se conseguir somar os pontos, o que será um grande desafio).

Os benefícios existem e são reais, mas você precisa saber se eles se encaixam em seu estilo de vida, volume de gastos e, principalmente, se fazem sentido para sua família. A solução é começar por buscar informações sobre os benefícios do seu atual cartão de crédito e relembrar suas mais recentes utilizações das vantagens oferecidas. Você pode estar usando um cartão diferente de você – ou, se preferir, está deixando de usufruir de alguns benefícios.

5) Parcele as compras em no máximo três vezes e inclua as parcelas futuras no orçamento
Este item está intimamente relacionado aos itens 1 e 2, mas merece um espaço único de discussão. O parcelamento é visto como um grande diferencial dos cartões, mas é também um aspecto reconhecido pela indústria como o responsável pelos altos juros cobrados no rotativo. Há quem diga que os juros só cairão se o parcelamento sem juros pelos lojistas for extinto ou dificultado.

O excesso de parcelas é perigoso porque facilita demais o consumo e dá a falsa sensação de que as contas estão sob controle. Algo que custa muito mais do que você pode pagar fica acessível se o pagamento acontecer em 12 vezes? Não, o produto continua fora do seu alcance é importante reconhecer a necessidade de planejar-se e lidar melhor com a frustração.

E agora? E daí?
A beleza da organização financeira está nos óbvios passos (sempre óbvios!) que temos que tomar para tirá-la do papel. A vantagem dos cartões é clara: segurança, praticidade, a possibilidade de concentrarmos os pagamentos em uma única data e os benefícios da fidelização.

2013.05 – Como planejar bem as próximas férias?

fevereiro 2nd, 2013

Eu estou planejando combinar as minhas próximas férias com um curso de espanhol em Cuzco, Peru. Assim mato dois coelhos com uma cajadada só.. Estudo espanhol e visito Machu Picchu, ambos na minha lista de 40 metas para cumprir até os 40 anos.

Já faz algum tempo que não faço uma viagem para exterior que não está de alguma forma relacionada ao trabalho. Como planejar as férias?

  • Descubra quando custará suas férias. Esse é o primeiro e fundamental passo, pois só assim o seu planejamento poderá ser feito de forma contundente e correta. Importante falar que em alguns períodos do ano sua viagem pode ser mais barata (tente fugir da chamada alta temporada);

Já contatei uma agência especializada em cursos de idiomas e estou aguardando o retorno do orçamento detalhado.

  • Defina quanto precisará poupar para realizar sua viagem de férias. Agora que já sabe quanto precisará pagar, é o momento de olhar com calma para seu orçamento e dedicar um pouco de esforço para cortar gastos (se for o caso) e destinar um percentual, todo mês, para a nova meta;
  • Poupe pelo tempo necessário. Talvez seu orçamento não permita que seu sonho, isto é, sua viagem dos sonhos, seja realizada em pouco tempo. Se este for seu caso, não perca o foco ou a disposição em economizar e garantir as férias sem dívidas. Converse com sua família e mostre a todos os benefícios de planejar um período de diversão, não de preocupações. Vale a pena.

Quando a viagem é para o exterior, como no meu caso, é preciso definir a forma de pagamento que será mais utilizada.

Para isso, não faltarão opções:

  • Cartões de crédito;
  • Cartões de débito;
  • Moeda local;
  • Cartão pré-pago.

Se sua opção costumeira é a utilização do cartão de crédito, para compras no exterior é bom saber que a variação cambial obedecerá ao fechamento de sua fatura e não ao dia da compra. Outro ponto que precisa ser considerado é a incidência de 6% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Os cartões pré-pagos possuem algumas facilidades interessantes do ponto de vista de administração do dinheiro usado na viagem. Você sabe exatamente quanto irá gastar (já que o cartão é pré-pago e você o “carregou” com dinheiro antes da viagem) e a alíquota de IOF é menor: 0,38% nessa modalidade. Vale ressaltar que você poderá, a qualquer momento, realizar uma nova recarga, inclusive durante a viagem.

Mesmo com a utilização de um dos tipos de cartão, é sempre prudente levar algum dinheiro em espécie para a viagem. A melhor opção para fugir das variações abruptas é a compra mensal da moeda estrangeira, pouco a pouco, durante os meses que antecedem a viagem. Dessa forma, a oscilação não se torna um perigo para o bolso.

Informe-se sobre o destino, pois nem sempre as opções de cartão de crédito ou pré-pagos são de ampla aceitação.