Archive for setembro \30\UTC 2012

Como mudar hábitos de consumo

setembro 30th, 2012

Quando você chega ao caixa, o que te passa pela cabeça?

As datas de vencimento dos cartões de crédito para decidir como é melhor pagar a compra? Você mentalmente calcula o custo financeiro para decidir em quantas parcelas pagar ou negociar um desconto? Você avalia se realmente precisa do produto que está comprando, considerando o seu custo versus a oportunidade de usar esse dinheiro em outra coisa?

Ou você simplesmente paga e vai embora?

A maioria das escolhas que fazemos todos os dias podem parecer fruto de processo bem estruturado de decisão, mas na verdade não o são. São hábitos que adquirimos ao longo do tempo. E ainda que cada hábito individualmente pareça inconsequente, com o passar do tempo eles determinam como gastamos nosso dinheiro – assim como escolhemos a teleentrega, qual a frequencia com que nos exercitamos, e a maneira como organizamos a nossa rotina de trabalho – e tem um impacto enonrme em nossa saúde, produtividade, segurança financeira, e felicidade.

Uma pesquisa publicada por um pesquisador da  Duke University em 2006 indicou que 45% das ações que as pessoas executam todos os dias não são de fato decisões, mas sim hábitos. Grandes empresas já usam esse conceito para influenciar a produtividade de seus funcionários, e – sem que os consumidores percebam – o modo como as pessoas gastam o seu dinheiro.

O avanço dos estudos sobre neurologia nos permitem entender como um hábito é formado e mudá-lo quando necessário.

REGRA 1: Você precisa identificar seus hábitos
A dificuldade com hábitos é que eles quase sempre parecem inconscientes. Isso é porque o hábito se define numa região quase inconsciente do nosso cérebro: nos gânglios da base que atuam no controle motor em associação ao sistema corticoespinal no controle dos padrões complexos da atividade motora, por exemplo, escrever as letras do alfabeto.

Os estudos da última década indicam que existe um padrão basico intrínseco a cada hábito, uma espécie de ciclo neurológico que tem três partes: um gatilho (cue), uma rotina (routine) e uma recompensa (reward).

 

Para descobrir como você gasta, você precisa identificar seus hábitos de consumo – os gatilhos, rotinas e recompensas – que determinam como você administra o seu dinheiro.

Por exemplo, digamos que você tem o mau hábito, assim como eu de parar no caminho do escritório para comprar o café – por café no meu caso entenda-se um sanduíche farroupilha e uma coca cola. Esse hábito além de dificultar o controle do meu peso não parece um uso muito inteligente dos recursos já que a coca-cola na cafeteria custa 3 vezes mais que no supermercado.

Como você diagnostica e muda o seu comportamento? Identificando o ciclo do hábito. O primeiro passo é identificar a rotina que é a parte óbvia do ciclo: o comportamento que você quer mudar.

Minha rotina é que eu saio de casa toda manhã e passo na revistaria para comprar meu café que consumo no escritório.

Em relação ao dinheiro, algo parecido acontece quando uma pessoa entra numa loja, sente fome e passa pelo restaurante, ou recebe o salário e decide automaticamente quanto economizar para o futuro e quanto gastar na próxima semana. A rotina toma o controle — e as pessoas agem, quase sem pensar, de maneiras que podem engordar ou esvaziar suas contas bancárias.

Para assumir o controle desses hábitos, você precisa identificá-los E para isso, você precisa procurar por padrões no seu consumo. Pegue o extrato do seu cartão de crédito e se pergunte:

  • Quando você gasta? É mais comum durante a semana ou nos finais de semana? Manhãs ou tardes?
  • Você faz poucas compras de grande valor ou um monte de compras de pequeno valor?
  • Você gasta mais quando está com os amigos ou sozinho?

Não vai demorar muito para você encontrar alguns padrões básicos — e esses padrões indicarão as rotinas que determinam sua vida financeira.

A seguir, algumas perguntas menos óbvias: Qual o gatilho para essa rotina? É o tédio? Necessidades genuínas como alimentação e moradia? Você gasta para socializar ou para entreter-se sozinho? Você deseja as coisas que compra, ou a experiência de compra em si?

Para identificar os hábitos, você precisará de um pouco de experimentação.

REGRA 2: Procure pelas recompensas
Recompensas são poderosas porque elas satisfazem nossos desejos. Mas nem sempre temos consciência dos desejos que determinam nossos comportamentos.

Para identificar quais desejos estão provocando certos hábitos, é útil experimentar com diferentes recompensas. Se você, como eu, estiver tentando mudar o hábito da coca cola no café da manhã, eu sugiro que no primeiro dia do experimento, você tome um bom café da manhã antes de sair de casa, você precisa ajustar a sua rotina para que receba uma recompensa diferente. No dia seguinte, tente levar uma fruta para o escritório.

Deu para entender a idéia? O que você faz em troca do hábito anterior não é o que é importante. O importante é testar diferentes hipóteses para determinar qual o desejo que está determinando sua rotina. É uma necessidade de nutrição em si? Ou é para substituir a cafeína já que não tomo café de fato?

Consumo é da mesma forma: quando você normalmente gasta, tente fazer outra coisa.

Ao experimentar com diferentes recompensas, você pode isolar os gatilhos, o que é essencial para modificar um hábito.

REGRA 3: Isole os gatilhos
Experimentos demonstram que quase todos os gatilhos ficam em uma das 5 categorias:

  • Localização
  • Horário
  • Estado Emocional
  • Outras pessoas
  • Ação imediatamente anterior

Então, se você estiver tentando identificar um gatilho para a coca cola pela manhã, avalie as categorias acima:

  • Onde você está? (a caminho do escritório)
  • Que horas são? (Por volta de 8 da manhã)
  • Qual seu estado emocional? (sonolenta e faminta)
  • Quem está a sua volta? (ninguém)
  • Qual a ação imediatamente anterior? (me arrumar para sair)

Me parece que o gatilho do meu hábito é combater a sonolência já que não inclui na minha rotina matinal tempo para um café da manhã adequado antes de sair de casa.

De forma similar, quando você gasta (ou poupa), avalie as 5 categorias. Qual o gatilho desse fluxo de dinheiro?

REGRA 4: Tenha um plano
Uma vez que você identificou o ciclo do hábito – você já sabe a recompensa que determina o seu comportamento, o gatilho e a rotina em si – você pode começar a alterar esse comportamento. Você pude mudar para uma rotina melhor planejando o gatilho e escolhendo um comportamento alternativo que te traga a recompensa que precisas. O que você precisa é de um plano.

Um hábito é uma fórmula que nosso cérebro segue automaticamente:

Quando eu vejo o Gatilho, sigo a Rotina para obter a Recompensa.

Então, esse é o meu plano:

Antes de sair de casa farei uma refeição.

Óbvio que não espero que funcione imediatamente, então para a primeira semana eu comprei um fardo de garrafinha de coca cola para levar para o escritório. Vamos ver quanto tempo eu levo para mudar o meu hábito.

Mudar alguns hábitos pode ser bem mais difícil. Mas esse conceito é um começo. Algumas vezes as mudanças levam muito tempo. Algumas vezes você precisará experimentar e falhar várias vezes. Mas uma vez que você entenda como um hábito opera – uma vez que você entenda o gatilho, a rotina e a recompensa – você tem o poder de mudá-lo. E em relação ao consumo e a poupança funciona da mesma forma: uma vez que você identifique os gatilhos que causam consumo desnecessário, e a recompensa que se procura, o comportamento pode ser mudado.

Algumas dicas para controlar o consumo

setembro 10th, 2012

Como eu já disse várias vezes, não tenho muita dificuldade em ganhar dinheiro e tenho menos ainda em gastá-lo. Infelizmente, a regra de ouro das finanças pessoais ainda é a mesma. É preciso gastar menos do que se ganha para acumular riqueza e atingir os seus objetivos.

Ganhar mais dinheiro é uma opçào, mas é preciso lembrar que para cada real de aumento é na verdade  apenas R$0,72 a mais já que o imposto de renda vai ficar com uma fatia. Por outro lado cada real que se economiza reduzindo os gastos é efetivamente R$1 a mais. Aqui vão algumas dicas que estou empregando para manter o consumo sob controle. Escolha as que melhor se aplicarem a você.

1. Monitore as despesas

Quando os R$50 que você sacou ontem desaparecem e você não sabe onde foram parar, você tem um problema. Monitar o seu consumo identifica onde os vazamentos estão. Documente cada centavo gasto, onde foi gasto e porque. Quanto dessas despesas poderiam ser consideradas “necessidades”?

2. Mudando os pequenos hábitos

A chave para ser bem sucedido eliminando as despesas desnecessárias é dar um passo de cada vez. Se o seu controle de despesas revelar que você gasta 30% da renda com almoços, você provavelmente não será capaz de trocar os restaurantes pela marmita da noite para o dia. Mas talvez seja possível rever as opções de almoço. Se você é como eu que sempre compra o café da manhã no caminho do escritório (por café entenda-se coca cola, já que não bebo nada quente) pode tentar trazer de casa. No caso da coca cola, o preço na frente do escritório é pelo 3 vezes o preço do supermercado.

Identifique um novo alvo por mês, e ataque! Não vai demorar muito para encontrar um equilíbrio no orçamento que você pode aceitar.

3. Use dinheiro em espécie

Foi uma das experiências mais bem sucedidas que empreendi nos últimos tempos. Por algumas semanas, eu deixei os cartões de crédito e débito em casa e paguei em dinheiro. O efeito nos gastos foi imediato, mas trouxe uma certa dificuldade de controle. Usar o cartão facilita o controle das despesas. Alguns bloggers de finanças argumentam que ao usar dinheiro em espécie ou cheques, tomamos mais cuidados com o destino do dinheiro.

4. Dê a si uma mesada

Defina um valor mensal ou semanal para gastar como quiser. Assim você evita a crise de abstinência de consumo e tem mais chance de se manter fiel a sua rotina frugal. Pense numa dieta, sempre tem aquele dia que a sobremesa está liberada, não é verdade?

5. Compras de viagem em dinheiro

Eu viajo bastante a trabalho. Esse ano apenas, já estive 3 vezes nos Estados Unidos e 1 no México. Especialmente nos Estados Unidos, onde os preços são muito melhores do que no Brasil, é difícil controlar o consumo. Na última viagem, levei uma quantidade de dólares e adivinhem, sobrou dinheiro… Estou pensando em começar a comprar uma quantia de dólares por mês para limitar os meus gastos nas futuras viagens.

6. Listas de supermercado realmente funcionam

Faça uma lista, e se atenha a ela. Evite as compras de impulso. Não compre mais comida, especialmente as frescas, do que vai consumir em um dia ou dois. Eu adoro cerejas, mas é bem comum, esquecê-las no refrigerador até que estraguem. Planeje o cardápio da semana.

7. Estabeleça uma meta

Porque você está economizando? Você está tentando constituir um fundo de emergência, eliminar as dívidas ou trocar de carro? Qualquer que seja a sua motivação, estabeleça uma meta clara para perseguir. Se te ajudar, abra uma conta de poupança ou outro tipo de investimento específica para a sua meta. Monitore o progresso e permaneça motivado.